Aeroportos abrem vagas para estacionamento de aeronaves fora de operação

ANAC alinha acordo entre operadores aeroportuários e aéreas para situação de contingência

A redução das operações aéreas causada pela situação de emergência do novo coronavírus (COVID-19) levou a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), desde o início de março, a realizar tratativas com operadores aeroportuários para implantação de estacionamento contingencial de aeronaves nos aeroportos brasileiros. A exemplo do que foi feito durante os grandes eventos realizados no Brasil, como Copa do Mundo e Jogos Olímpicos, foram estabelecidas novas áreas para essa finalidade em 22 aeroportos do país, com 946 posições homologadas e 610 posições extras para hangaragem a céu aberto. As posições poderão ser usadas para uso temporário ou estadia.

A necessidade de vagas para estacionamento de aeronaves surgiu após a redução de até 90% das operações das empresas aéreas e a criação de uma malha essencial mínima de integração de todo o país programada para operar entre 28 março até o final de abril. Como o interesse das companhias aéreas é por manter suas aeronaves em determinados aeroportos que não dispõem de espaço suficiente para estacionamento, a ANAC coordenou a situação de contingência.

Os operadores aeroportuários apresentaram estudos, em conjunto com as empresas aéreas, para a implantação de estacionamento contingencial (hangaragem a céu aberto) de aeronaves em áreas que não estão homologadas para essa finalidade. Em geral, foram criadas posições de estacionamento nos pátios, taxiways e algumas pistas de pousos e decolagens.

Os estudos foram consolidados na forma de Análises de Impacto à Segurança Operacional (AISO) e Procedimentos Específicos de Segurança Operacional (PESO), que avaliam a segurança das operações e estabelecem procedimentos e medidas visando mitigar o risco dessa operação contingencial. Até o momento, foram analisados 22 conjuntos de AISO e PESO.

Os estudos foram consolidados na forma de Análises de Impacto à Segurança Operacional (AISO) e Procedimentos Específicos de Segurança Operacional (PESO), que avaliam a segurança das operações e estabelecem procedimentos e medidas visando mitigar o risco dessa operação contingencial. Até o momento, foram analisados 22 conjuntos de AISO e PESO. As estimativas para novas posições de aeronaves foram baseadas para aeronaves de porte intermediário categoria “C”, como o Boeing 737-800, o Airbus A320-200, e o Embraer E195-E2.

Fonte: ANAC

Principais da Semana

Vacinas contra a covid-19 começam a ser distribuídas

Aeronaves partem de Guarulhos com 44 toneladas de imunizantes O Ministério da Saúde inicia, na manhã desta segunda-feira (18), a distribuição das vacina contra a covid-19 para...

Com sucesso na malha de verão, Azul manterá rota Congonhas-Salvador em definitivo a partir de fevereiro

Com sucesso na malha de verão, Azul manterá rota Congonhas-Salvador em definitivo a partir de fevereiro A rota Congonhas - Salvador, que entrou na malha...

Regulamento da aviação agrícola será modernizado até 2022

Medida foi anunciada pela Anac dentro da Agenda Regulatória da agência para 2021/2022 O Sindicato Nacional das Empresas de Aviação Agrícola (Sindag) deve iniciar, nos...

Azul transporta, em 14 horas, mais de dois milhões de doses de vacina para 12 capitais do Brasil

Companhia aérea foi responsável por levar 927 caixas com doses do imunizante Coronavac/Butantan para todas as regiões do país Em uma operação logística tão complexa quanto esperada,...

ANAC divulga lista de empresas aéreas e de táxi-aéreo autorizadas a transportar oxigênio

Ação traz agilidade e amplia a contratação de aeronaves para o transporte de insumos médicos com segurança Para ampliar o transporte de insumos médicos no...