Brasil e outros 3 países deverão liderar retomada da aviação

O mês de fevereiro registrou 24,2 milhões de passageiros, representando um crescimento de 4,5% comparado ao mesmo período de 2019

A Associação Latino-Americana e do Caribe de Transporte Aéreo (Alta) divulgou recentemente que o mês de fevereiro registrou 24,2 milhões de passageiros, representando um crescimento de 4,5% comparado ao mesmo período de 2019. O tráfego aumentou 2,6% e a capacidade cresceu 4,7%.

Estes números apontavam para uma perspectiva da entidade de terminar o ano de forma positiva. No entanto, em fevereiro, a região ainda não havia sentido os impactos da pandemia do novo coronavírus.

“Ainda não temos os números fechados de março, mas estimamos uma perda imensa de passageiros, já que desde o dia 12 a OMS considerou a covid-19 como pandemia. Os mercados brasileiro e mexicano operaram de forma um pouco mais normal, enquanto Argentina e Peru fecharam as fronteiras desde o início do mês de março”, conta o CEO da Alta em coletiva de imprensa on-line, Luís Felipe de Oliveira.

A associação estima que, em março, haverá uma queda de 25% em relação ao mesmo período do ano passado, indo de 38 milhões de passageiros para 28 milhões. Apesar disso, houve uma tendência internacional do fortalecimento de transporte de carga, já visto em abril.

“A aviação é uma indústria fundamental para os países latino-americanos, dado à extensão da região, à infraestrutura, condições climáticas, montanhas, rios… Ela é essencial para o nosso transporte. Além disso, é um setor resiliente, que já passou por várias crises. Teremos uma recuperação, mas será lenta. Nossa região tem um potencial de crescimento muito grande.”

Segundo Oliveira, o início dessa recuperação será com os países que tem um tráfego doméstico intenso, como Brasil, México, Colômbia e Argentina, seguido pelo inter-regional e, depois, pelo internacional extrarregional. A tendência maior é que os voos domésticos voltem no final de maio, início de junho, mas isso depende do impacto que a covid-19 continuará tendo nos países da região. Em sua visão, a volta para os níveis de passageiros e voos de 2019 seria somente em dezembro de 2021.

“Por isso é importante essa necessidade de trabalhar em conjunto, de solicitar apoio dos governos. Senão, o setor não conseguirá resistir por muito tempo. Toda a cadeia de indústrias que dependem de translado de passageiros que usam avião como meio de transporte está sendo afetada”, afirma.

O CEO da Alta citou ainda as medidas que estão sendo buscadas pela associação latino-americana, que consistem em pagamentos diferidos de imposto de renda, de taxas de serviços de navegação aérea, de concessões aeroportuárias e de impostos federais. Além da flexibilização trabalhista e exceção temporária do pagamento de encargos sociais, entre outras ações.

Fonte: Panrotas

Principais da Semana

Descontos podem chegar a R$ 15 bilhões nas outorgas de aeroportos privatizados e devem ser estendidos a toda cadeia da indústria da aviação

 Crise gerou efeito dominó e prejudicou a todos. Segmento de ground handling defende que benefícios, se concedidos, também sejam estendidos a todos  As concessionárias dos...

Azul transporta, em 14 horas, mais de dois milhões de doses de vacina para 12 capitais do Brasil

Companhia aérea foi responsável por levar 927 caixas com doses do imunizante Coronavac/Butantan para todas as regiões do país Em uma operação logística tão complexa quanto esperada,...

ANAC autoriza Líder Aviação a realizar transporte de oxigênio

A Líder Aviação recebeu autorização da Agência Nacional de Aviação Civil - ANAC para o transporte de oxigênio. Essa permissão faz parte das ações do órgão...

Com pandemia indicadores do setor aéreo reduzem 50% em 2020

Último semestre do ano marca retomada do setor O transporte aéreo apresentou retração de 29,5% na demanda de passageiros pagos transportados (RPK) e de 27,6%...

Profissionais de transporte entram em grupo prioritário em campanha de vacinação contra a Covid-19

Considerados essenciais para o país, trabalhadores dos setores rodoviário, ferroviário, portuário, aquaviário e aéreo serão priorizados pelo Ministério da Saúde Considerados prestadores de serviços essenciais...