Iata pede ações de estímulo à confiança do setor aéreo

Diante da previsão de recuperação lenta da demanda por viagens aéreas, a Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata) pede que os governos trabalhem com o setor da aviação em medidas de estímulo à confiança.
“A confiança dos passageiros sofrerá um golpe duplo, mesmo após a contenção da pandemia: preocupações econômicas pessoais no cenário da recessão iminente, além de preocupações com a segurança das viagens. Os governos e o setor devem agir de maneira rápida e coordenada, adotando medidas para aumentar a confiança”, disse Alexandre de Juniac, diretor-geral e CEO da Iata.

A fala de Juniac é baseada em uma pesquisa encomendada pela associação com os viajantes. De acordo com os dados, 60% deles pretendem voltar a viajar em um a dois meses após a contenção da pandemia, mas 40% indicaram que podem esperar seis meses ou mais. Por outro lado, 69% indicaram que podem adiar o retorno às viagens até a estabilização da sua situação financeira pessoal.

As primeiras indicações desse comportamento cauteloso de retorno às viagens, segundo a Iata, foram observadas nos mercados domésticos da China e Austrália, onde as taxas de novas infecções por coronavírus caíram para níveis muito baixos. Na China, por exemplo, a demanda doméstica começou a se recuperar quando as taxas de novas infecções caíram para um dígito. Embora tenha ocorrido uma alta inicial desde meados de fevereiro até a primeira semana de março, o número de voos domésticos se estabilizou um pouco acima de 40% dos níveis anteriores à Covid-19.

Na Austrália, a demanda doméstica diminuiu mesmo depois que a taxa de novas infecções caiu para um dígito. Na verdade, ainda não há sinal de recuperação (o total de voos domésticos corresponde a 10% dos níveis anteriores à Covid-19), mesmo quando a taxa de novas infecções se aproxima de zero.

“Em algumas economias, a disseminação da Covid-19 diminuiu a ponto de fazer com que os governos comecem a pensar em suspender as restrições de distanciamento social. Mas parece improvável vermos uma recuperação imediata da queda catastrófica na demanda de passageiros. As pessoas ainda pretendem viajar, mas querem clareza sobre a situação econômica e, provavelmente, vão esperar pelo menos alguns meses depois da contenção da pandemia para só então voltarem a viajar. Com a suspensão das restrições mais rigorosas nos países, as medidas de estímulo à confiança serão fundamentais para reiniciar os voos e estimular as economias”, disse Alexandre de Juniac.

VOLTA DAS ATIVIDADES

Nesta semana, a Iata está realizando reuniões regionais com governos e parceiros do setor para começar a planejar o reinício das atividades do setor de transporte aéreo. “O transporte de passageiros parou com as ações unilaterais dos governos adotadas para impedir a propagação do vírus. A retomada, no entanto, deve ser planejada com confiança e colaboração, e deve ser guiada pela melhor base científica que temos disponível. O fator tempo é essencial. Devemos começar a desenvolver uma estrutura para uma abordagem global que garanta às pessoas a confiança necessária para que elas viajem novamente. E, obviamente, isso precisará ser reforçado por medidas de estímulo econômico para combater o impacto de uma recessão”, afirmou Alexandre de Juniac.

MEDIDAS DE ALÍVIO

Além das medidas de estímulo e fortalecimento da confiança, a previsão de lenta recuperação também reforça a urgência de medidas emergenciais de alívio financeiro. A Iata estima que cerca de 25 milhões de empregos na aviação e suas cadeias de valor relacionadas, incluindo o setor de turismo, correm risco na atual crise. As receitas de passageiros devem ter redução de US$ 314 bilhões em relação a 2019 (queda de 55%) e as companhias aéreas usarão cerca de US$ 61 bilhões de suas reservas só no segundo trimestre, com a demanda caindo 80% ou mais.

“Se trata de uma emergência. As companhias aéreas do mundo inteiro estão lutando para sobreviver. O caso da Virgin Australia, que entrou em administração voluntária, mostra que o risco é real. Os governos precisarão de companhias aéreas financeiramente viáveis para liderar a recuperação econômica. Muitas delas não sobreviverão para ajudar se ficarem sem dinheiro. Aumenta o número de governos que reconhecem a necessidade de medidas de ajuda. Mas a crise também está aumentando. Agradecemos aos governos que se comprometeram a fornecer ao setor um ajuda e esperamos uma implementação rápida. Para os outros governos, cada dia conta muito. Milhões de empregos estão em risco e a ajuda nem sempre é rápida o suficiente”, disse Alexandre de Juniac.

Fonte: Mercado e Eventos

Principais da Semana

Aeroporto de Maceió registra mais de 90% do fluxo contabilizado em 2019

A meta da Sedetur para o aeroporto de Maceió (AL) em dezembro de 2020, era de até 80% do volume de pessoas registrado no...

Salvador Bahia Airport cria túnel de desinfecção para acelerar higienização de bandejas

O projeto é uma iniciativa do departamento de Manutenção do próprio Salvador Bahia AirportDesde o início da pandemia da Covid-19, o Salvador Bahia Airport,...

Declaração: Novos requisitos de teste para viagens aéreas ao Canadá

As graves consequências econômicas do prolongado fechamento da fronteira já são evidentes A International Air Transport Association (IATA) expressou frustração com o novo requisito de...

Agência de transportes rodoviários começa a operar no Aeroporto de Brasília

Ainda neste semestre, serviço permitirá viagens intermodais partindo do terminal brasiliense para cidades Goiânia (GO), Anápolis (GO) e Alto Paraíso (GO)  Foi inaugurada no Aeroporto...

Aeroporto de Congonhas aposta em tecnologia para facilitar o embarque de passageiros

A inovação foi proporcionada com instalação dos equipamentos dFlow BCBP da Digicon O Aeroporto de Congonhas é o segundo maior do Brasil em movimento de...