Aviação comercial brasileira adere aos compromissos anunciados pela IATA na pandemia do Covid-19

ABEAR, integrada por GOL, LATAM e VOEPASS/MAP, aderiu aos compromissos

A Associação Brasileira das Empresas Aéreas (ABEAR), integrada por GOL, LATAM e VOEPASS/MAP, aderiu aos compromissos anunciados nesta semana pela Associação Internacional do Transporte Aéreo (IATA, da sigla em inglês), para que a aviação comercial possa reconectar o tráfego aéreo global, durante a pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

“Os princípios propostos pela IATA são essenciais para a retomada do setor daqui para a frente. É fundamental que exista um alinhamento internacional neste cenário, principalmente do ponto de vista da segurança sanitária, para que o passageiro se sinta seguro ao voar, para que mais destinos sejam atendidos e mais pessoas voltem a viajar. Dessa forma, a aviação será crucial para a retomada do crescimento econômico em escala global”, diz o presidente da ABEAR, Eduardo Sanovicz.

“A declaração desses princípios é muito importante porque demonstra a unidade de propósito e compromisso das empresas aéreas em trabalhar com todas as partes interessadas para reconectar com segurança nosso mundo. Enquanto a pandemia continua, as bases para a retomada da indústria estão sendo estabelecidas por meio de uma estreita colaboração com os Governos, Organização de Aviação Civil Internacional (OACI), Organização Mundial da Saúde (OMS) e outras partes. Se formos bem-sucedidos, a aviação trará grandes benefícios para solução dos desafios impostos pelo COVID-19 pois um mundo reconectado é um dos pilares para a recuperação econômica”, diz o diretor da IATA no Brasil, Dany Oliveira.

Abaixo, os cinco compromissos anunciados:

1. A aviação sempre colocará a segurança em primeiro lugar: as empresas aéreas se comprometem a trabalhar com nossos parceiros nos Governos, instituições e em todo o setor para:
• Implementar um regime de biossegurança baseado em ciência que mantenha nossos passageiros e tripulação seguros, permitindo operações eficientes.
• Assegurar que a aviação não seja uma fonte significativa para a disseminação de doenças transmissíveis, incluindo o COVID-19.

2. A aviação responderá de forma flexível à medida que a crise e a ciência evoluírem: as empresas aéreas comprometem-se a trabalhar com nossos parceiros nos Governos, instituições e em todo o setor para:
• Utilizar novas ciências e tecnologias à medida que se tornem disponíveis, por exemplo, soluções confiáveis, escaláveis e eficientes para testes COVID-19 ou passaportes de imunidade.
• Desenvolver uma abordagem previsível e eficaz para gerenciar quaisquer futuros fechamentos de fronteiras ou restrições de mobilidade.
• Assegurar que as medidas sejam cientificamente apoiadas, economicamente sustentáveis, operacionalmente viáveis, continuamente revisadas e removidas/substituídas quando não forem mais necessárias.

3. A aviação será um dos principais impulsionadores da recuperação econômica: as empresas aéreas comprometem-se a trabalhar com nossos parceiros nos Governos, instituições e em todo o setor para:
• Restabelecer a capacidade que possa atender às demandas da recuperação econômica o mais rápido possível.
• Assegurar que um transporte aéreo acessível estará disponível no período pós-pandemia.

4. A aviação cumprirá suas metas ambientais: as empresas aéreas se comprometem a trabalhar com nossos parceiros nos Governos, instituições e em todo o setor para:
• Alcançar nossa meta de longo prazo de redução das emissões líquidas de carbono para metade dos níveis de 2005 até 2050.
• Implementar com sucesso o Esquema de Compensação e Redução de Carbono para a Aviação Internacional (CORSIA).

5. A aviação operará de acordo com padrões globais harmonizados e mutuamente reconhecidos pelos governos: As empresas aéreas comprometem-se a trabalhar com nossos parceiros nos Governos, instituições e em todo o setor para:
• Estabelecer os padrões globais necessários para um reinício efetivo da aviação, baseando-se, particularmente, em fortes parcerias com a Organização Internacional de Aviação Civil (OACI) e a Organização Mundial de Saúde (OMS).
• Assegurar que as medidas acordadas sejam efetivamente implementadas e reconhecidas mutuamente pelos Governos.

Leia na íntegra o material publicado pela IATA clicando aqui.

Fonte: ABEAR

Principais da Semana

USP fará diagnóstico sobre influência de fator humano na segurança aeroportuária

Pesquisa analisará atividades de alto impacto em Congonhas, Campo de Marte e Guarulhos A Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (FSP/USP) realizará,...

Connected Smart Cities fecha parceria com o Estadão e amplia ações para o desenvolvimento das cidades

A cooperação entre o Mobilidade Estadão e o Connected Smart Cities & Mobility tem o objetivo de difundir boas práticas para o desenvolvimento de...

VOEPASS Linhas Aéreas começa a transportar gratuitamente as vacinas contra a Covid-19 para o norte do país

A empresa disponibilizou suas aeronaves para o Governo Federal transportar gratuitamente a vacina para a Covid-19 A VOEPASS Linhas Aéreas começou a contribuição junto a...

Azul confirma retorno das operações em Passo Fundo a partir de maio

Prazo estimado da companhia segue o calendário de conclusão das obras de melhorias no Aeroporto Lauro Kortz. Retomada da operação da empresa na cidade gaúcha acontecerá com três voos...

Com pandemia indicadores do setor aéreo reduzem 50% em 2020

Último semestre do ano marca retomada do setor O transporte aéreo apresentou retração de 29,5% na demanda de passageiros pagos transportados (RPK) e de 27,6%...