Maioria dos passageiros pretende esperar seis meses após crise da Covid-19 para viajar de avião

Uma pesquisa de opinião feita com 4.700 passageiros de avião em 11 países indica que a maioria (55%) não pretende voltar a fazer uma viagem aérea menos de seis meses após o final da pandemia de coronavírus

Uma pesquisa de opinião feita com 4.700 passageiros de avião em 11 países indica que a maioria (55%) não pretende voltar a fazer uma viagem aérea menos de seis meses após o final da pandemia de coronavírus.

O levantamento, realizado a pedido da Iata (Associação Internacional de Transporte Aéreo, na sigla em inglês), mostra quais são as principais preocupações em relação à segurança sanitária de pessoas que viajaram de avião recentemente.

Ao serem perguntados quando pretendem voltar a viajar após o controle da pandemia de coronavírus, 36% afirmaram que pretendem esperar ao menos seis meses; outros 14% disseram pretender esperar um ano e 5% afirmou não ter planos de pegar o avião em um futuro próximo.

Para 33%, seus planos de viagem devem esperar ainda um ou dois meses. E apenas 12% disseram não pretender aguardar para pegar um avião após a melhora da pandemia.

As respostas são preocupantes para a indústria aérea, uma das mais atingidas pela crise do coronavírus. O setor deve acumular perdas de US$ 84 bilhões neste ano, segundo Alexandre de Juniac, presidente da Iata.

“É por isso que continuamos lembrando que as medidas de socorro devem se estender além da situação inicial de emergência. A redução de custos, sob qualquer forma, será essencial – redução de impostos, de taxas de usuários ou encargos administrativos”, elencou Juniac.

Mudança de hábitos durante a pandemia

A pesquisa procurou saber também como os passageiros aéreos mudaram de hábitos durante a pandemia. Entre os entrevistados, 77% disseram lavar as mãos com mais frequência, 71% evitar reuniões numerosas e 67% usar máscara em público.

Os viajantes identificaram ainda os principais momentos em que temeriam uma contaminação durante uma viagem. 65% disseram ter medo de se sentar ao lado de alguém infectado; 59% afirmaram ter medo de ficar em um ônibus ou trem lotado a caminho da aeronave; e outros 42% listaram as filas de check-in e embarque como um momento de risco.

Quando solicitados a classificar as três principais medidas que os tornariam mais seguros, 37% citaram a triagem contra a Covid-19 nos aeroportos de partida, 34% concordaram com o uso obrigatório de máscaras e 33% gostariam que fosse mantido o distanciamento entre passageiros dentro das aeronaves.

A pesquisa entrevistou 4.700 pessoas que fizeram uma viagem de avião, por lazer ou trabalho, entre julho de 2019 e junho de 2020 dos seguintes países: Reino Unido, França, Estados Unidos, Canadá, Alemanha, Singapura, Austrália, Japão, Chile, Índia e Emirados Árabes Unidos.

Fonte: UOL

Principais da Semana

Aeroporto de Congonhas aposta em tecnologia para facilitar o embarque de passageiros

A inovação foi proporcionada com instalação dos equipamentos dFlow BCBP da Digicon O Aeroporto de Congonhas é o segundo maior do Brasil em movimento de...

Aéreas brasileiras transportaram gratuitamente 4,9 mil itens para transplante em 2020

Voos operados pela Força Aérea Brasileira (FAB), companhias aéreas estrangeiras, trajetos terrestres e serviço postal transportaram 2.279 itens As companhias aéreas brasileiras transportaram gratuitamente, em...

Aeroporto de Maceió registra mais de 90% do fluxo contabilizado em 2019

A meta da Sedetur para o aeroporto de Maceió (AL) em dezembro de 2020, era de até 80% do volume de pessoas registrado no...

Coronavírus: Reino Unido proíbe voos vindos da América do Sul e de Portugal por variante encontrada no Brasil

A nova variante encontrada no Brasil é diferente da variante inglesa e também foi encontrada na África do Sul Chegadas ao Reino Unido da América...

Declaração: Novos requisitos de teste para viagens aéreas ao Canadá

As graves consequências econômicas do prolongado fechamento da fronteira já são evidentes A International Air Transport Association (IATA) expressou frustração com o novo requisito de...