Companhias aéreas dão sinal de retomada enquanto ajuda do BNDES não chega

Azul, Gol e Latam voltaram a destinos que estavam sem serviço até junho e aumentaram a frequência em outras rotas

A malha aérea brasileira, que chegou a cair mais de 90% em abril, no pior mês para o setor, começa a dar sinais de retomada significativa em julho, com previsão de mais de 500 voos diários das principais companhias do país no mercado doméstico. Mesmo assim, o número está longe dos cerca de 2,7 mil pousos e decolagens registrados diariamente antes da pandemia do novo coronavírus.

Azul, Gol e Latam voltaram a destinos que estavam sem serviço até junho e aumentaram a frequência em outras rotas. Só a Gol tem planejados, em média, 250 voos diários em julho, o que representa um acréscimo de 150% na comparação com junho. O aumento na Azul é de 42% em relação ao mês anterior. Já na Latam, o acréscimo ultrapassa 100%, inclusive com a retomada de alguns destinos internacionais, como Cidade do México, Frankfurt, Londres, Madrid e Montevidéu.

Apesar do crescimento no número de voos, a expectativa do setor é atingir o mesmo patamar pré-crise no mercado doméstico somente em 2021. Isso em um cenário bastante otimista. “O setor vai retomar no mercado doméstico um pouco mais rápido, até porque o cenário internacional é mais complexo. A retomada vai ser gradual, mas acreditamos que até o final do ano já teremos a recomposição de cerca de 80% dos voos em relação a dezembro de 2019”, diz o secretário nacional de Aviação Civil, Ronei Glanzmann.

A realidade, porém, leva muitas incertezas para o setor. Com a pandemia ainda fora de controle no país, o setor não consegue precisar quando a demanda por voos, especialmente corporativos, voltará a crescer com vigor. “A retomada básica depende da abertura dos mercados domésticos no terceiro trimestre de 2020, com abertura gradual ainda mais lenta dos mercados internacionais. O cenário pessimista é baseado na abertura mais lenta das economias e no relaxamento das restrições de viagem, com bloqueios se estendendo até o terceiro trimestre, possivelmente devido a uma segunda onda do vírus. Isso atrasaria ainda mais a recuperação das viagens aéreas”, comenta o diretor da Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata, na sigla em inglês) no Brasil, Dany Oliveira.

O pior ano da história da aviação comercial

Segundo a Iata, 2020 será o pior ano da história da aviação comercial, com prejuízos estimados em US$ 84,3 bilhões em todo o mundo, com quedas de receitas na faixa de 50%. Não por acaso, governos de vários países têm injetado recursos em companhias aéreas para que elas não fechem as portas. Empresas tradicionais como Lufthansa, Air France e KLM já tiveram ajuda governamental.

“A pandemia parou a aviação no mundo todo, as companhias aéreas estão operando no mínimo. O maior desafio para as empresas aéreas agora é a liquidez a curto prazo e infelizmente isto pode significar que muitas empresas do setor não conseguirão sobreviver à crise. A maioria das empresas tem de dois a três meses de caixa”, explica Oliveira.

No Brasil, as três maiores companhias aéreas tiveram redução de receitas ao mesmo tempo em que o valor do dólar subiu — grande parte dos custos do setor é dolarizado. O caso mais emblemático é o da Latam, que entrou com pedido de recuperação judicial nos Estados Unidos para ter acesso a novas fontes de liquidez — chamado de DIP (Debtor-in-possession) — e garantir a continuidade das operações.

Um dos motivos para o pedido foi a demora para chegar a um acordo com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). “Este movimento [de pedido de recuperação judicial] pode facilitar o financiamento que está em negociação com o BNDES, além de oferecer uma opção mais segura ao banco, já que o DIP tem prioridade em relação a outros passivos da empresa”, disse o CEO da Latam Brasil, Jerome Cadier.

Mas não é só a Latam que busca o BNDES. A Azul e a Gol também costuram um pacote de ajuda que pode chegar a R$ 6 bilhões para as três companhias. “O importante agora é acelerar a linha de crédito do BNDES para que a mesma seja disponibilizada o mais rápido possível às empresas aéreas reforçarem seus capitais de giro”, completa Oliveira. Para viabilizar o empréstimo, o BNDES deve oferecer parte dos recursos e o restante será realizado em conjunto com bancos privados. A expectativa é que o acordo seja formalizado ainda em julho.

Fonte: Gazeta do Povo

Principais da Semana

Azul vai à Índia buscar dois milhões de doses da vacina contra a Covid-19

Carga com material produzido pela Astrazeneca/Oxford será trazida em parceria com o Governo Federal e tem previsão de desembarque no Rio de Janeiro no...

Aéreas brasileiras transportaram gratuitamente 4,9 mil itens para transplante em 2020

Voos operados pela Força Aérea Brasileira (FAB), companhias aéreas estrangeiras, trajetos terrestres e serviço postal transportaram 2.279 itens As companhias aéreas brasileiras transportaram gratuitamente, em...

Coronavírus: Reino Unido proíbe voos vindos da América do Sul e de Portugal por variante encontrada no Brasil

A nova variante encontrada no Brasil é diferente da variante inglesa e também foi encontrada na África do Sul Chegadas ao Reino Unido da América...

Avião Solidário da LATAM realizará gratuitamente o transporte doméstico de 513 caixas – que equivalem a 15 toneladas – de vacinas para combate da...

Companhia irá transportar as doses da vacina CoronaVac para os estados da Bahia, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Paraíba e Pernambuco A LATAM reafirmando seu compromisso...

Agência de transportes rodoviários começa a operar no Aeroporto de Brasília

Ainda neste semestre, serviço permitirá viagens intermodais partindo do terminal brasiliense para cidades Goiânia (GO), Anápolis (GO) e Alto Paraíso (GO)  Foi inaugurada no Aeroporto...