Gol prepara retomada do B737 MAX em dezembro, diz Eduardo Bernardes

A Gol segue na espera da certificação por parte da FAA e, no Brasil, da própria Anac para retomar as operações da aeronave

O B737 MAX segue parado desde março de 2019 em busca de aprovação para voltar a voar. Em julho, a Administração Federal de Aviação dos Estados Unidos (FAA) deu mais um passo rumo à nova certificação da aeronave ao ter anunciado que em breve iria apresentar uma proposta de diretiva de aeronavegabilidade. A Gol segue na espera da certificação por parte da FAA e, no Brasil, da própria Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) para retomar as operações da aeronave.

Em entrevista ao M&E Play no Youtube (veja abaixo), nesta terça-feira (18), o vice-presidente da Gol, Eduardo Bernardes, afirmou que a companhia já prepara uma retomada do B737 MAX para este ano ainda.

“Nossa expectativa é de que a liberação ocorra em outubro deste ano por parte das autoridades, começando pela FAA, e depois há uma necessidade da Anac também fazer a certificação e homologação da aeronave. A gente sabe que a Anac trabalha muito próximo da FAA e acompanhou, desde o início da trajetória do MAX, os processos que estavam sendo executados para cumprir as regras impostas pelas autoridades, logo nossa expectativa é que a liberação por parte da Anac aconteça logo em seguida, respeitando todos os trâmites, e que a aeronave já volte a voar em dezembro deste ano”, disse.

“Nossa expectativa é que a liberação por parte da Anac aconteça logo em seguida, respeitando todos os trâmites, e que a aeronave já volte a voar em dezembro deste ano”, diz o VP da Gol.

De acordo com Eduardo, o B737 MAX volta primeiro a ser operado em rotas domésticas, para depois seguir sua expansão planejada no mercado internacional. “Para os EUA vamos operar com o B737 MAX, que é parte da nossa estratégia, uma expansão internacional, em especial para Flórida, com um equipamento de alta eficiência operacional, até 15% menos de consumo com relação aos B737NGs, e com menor nivel de ruído”, disse o VP.

Eduardo ainda lembrou do acordo com a Boeing, fechado em abril.  “Fizemos uma negociação com a Boeing, que começou antes da pandemia, onde tiramos da nossa responsabilidade a necessidade de recebimento de novas aeronaves nos anos de 2020, 2021 e 2022. Em função desta enorme crise, o fato de não ter esse compromisso auxilia muito no processo de liquidez da empresa e a permite organizar sua frota adequadamente para uma demanda que visualizamos para o período”, finalizou.

Fonte: Mercado e Eventos

Principais da Semana

Aéreas brasileiras transportaram gratuitamente 4,9 mil itens para transplante em 2020

Voos operados pela Força Aérea Brasileira (FAB), companhias aéreas estrangeiras, trajetos terrestres e serviço postal transportaram 2.279 itens As companhias aéreas brasileiras transportaram gratuitamente, em...

Agência de transportes rodoviários começa a operar no Aeroporto de Brasília

Ainda neste semestre, serviço permitirá viagens intermodais partindo do terminal brasiliense para cidades Goiânia (GO), Anápolis (GO) e Alto Paraíso (GO)  Foi inaugurada no Aeroporto...

Meio ambiente: está aberta a 2ª edição do projeto Aeroportos Sustentáveis

Operadores aeroportuários podem se inscrever até 19 de fevereiro de 2021 Buscando incentivar a adoção de boas práticas de gestão ambiental nos aeroportos do Brasil,...

Azul vai à Índia buscar dois milhões de doses da vacina contra a Covid-19

Carga com material produzido pela Astrazeneca/Oxford será trazida em parceria com o Governo Federal e tem previsão de desembarque no Rio de Janeiro no...

LATAM transporta 500 cilindros de oxigênio para Manaus para combate da Covid-19

Até o momento, a companhia realizou três voos, em conjunto com o Governo do Amazonas a pedido do Ministério da Saúde, que totalizaram 37,5...