Verão desanimador levou IATA a reduzir estimativas para o transporte aéreo

Número de viagens no período de alta estação no hemisfério Norte foi o pior em mais de duas décadas

A Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA, na sigla em inglês) reduziu suas estimativas para o tráfego de passageiros de 2020, com previsão da redução do movimento global encerrar o ano com queda de 66% em relação a 2019. O estudo anterior apontava uma redução de 63% até o final do ano, mas a procura abaixo das expectativas para a temporada de verão (hemisfério Norte) devem ajudar a consolidar um resultado pior.

De acordo com a associação, a demanda de passageiros em agosto continuou extremamente baixa em relação aos níveis de 2019, com queda de 75,3% nas medições de passageiro pagante-quilômetro (RPKs) em relação mesmo período do ano passado. Todavia, o número mostrou ligeira melhora quando comparado ao de julho, alta estação no hemisfério Norte, com 79,5% de redução em relação ao ano anterior.

Conforme previsto a retomada tem sido maior nos mercados domésticos, com uma capacidade assentos disponíveis por quilômetro, ou ASKs caindo 63,8% quando comparada ao ano passado, já a taxa de ocupação perdeu 27,2 pontos, atingindo 58,5% em agosto, o menor índice das últimas duas décadas.

“O desempenho desastroso do tráfego de passageiros em agosto fecha a pior temporada de verão do setor. A recuperação da demanda internacional é quase inexistente e os mercados domésticos na Austrália e no Japão regrediram devido aos novos surtos e restrições de viagens”, explicou Alexandre de Juniac, diretor geral e CEO da IATA.

O mercado internacional, ainda afetado pelas restrições de viagens entre países, teve uma piora após novas restrições governamentais devido aos novos surtos de covid-19 em vários mercados importantes.

A demanda de passageiros internacionais em agosto foi 88,3% menor na comparação com agosto de 2019, ainda que o resultado também apresente uma pequena recuperação em relação ao mês de julho, que teve declínio de 91,8% no comparativo.

A IATA afirma que as reservas para voos futuros no quarto trimestre mostram que a recuperação continuará instável desde a baixa iniciada em abril, com a previsão de queda de 68% em dezembro em relação ao mesmo período de 2019, ante a expectativa anterior do último mês do ano ter uma queda de 55%.

“Há alguns meses, pensávamos que uma queda de 63% na demanda do ano todo em relação a 2019 era o pior cenário. Com o encerramento deste lamentável período de viagens de verão, atualizamos as nossas estimativas e agora temos queda de 66% para o ano todo”, completou de Juniac.

Fonte: Aeromagazine

Principais da Semana

Regulamento da aviação agrícola será modernizado até 2022

Medida foi anunciada pela Anac dentro da Agenda Regulatória da agência para 2021/2022 O Sindicato Nacional das Empresas de Aviação Agrícola (Sindag) deve iniciar, nos...

Azul transporta, em 14 horas, mais de dois milhões de doses de vacina para 12 capitais do Brasil

Companhia aérea foi responsável por levar 927 caixas com doses do imunizante Coronavac/Butantan para todas as regiões do país Em uma operação logística tão complexa quanto esperada,...

Descontos podem chegar a R$ 15 bilhões nas outorgas de aeroportos privatizados e devem ser estendidos a toda cadeia da indústria da aviação

 Crise gerou efeito dominó e prejudicou a todos. Segmento de ground handling defende que benefícios, se concedidos, também sejam estendidos a todos  As concessionárias dos...

Guarulhos recebe 20 milhões de passageiros em 2020; menor número em 13 anos

Guarulhos, que em 2018 e 2019 bateu recorde no número de passageiros, caminhava para quebrar novamente a marca em 2020 O Aeroporto de Guarulhos registrou...

Emirates é uma das primeiras companhias aéreas do mundo a testar o IATA Travel Pass, plataforma digital com informações atualizadas sobre teste e vacina...

No IATA Travel Pass, os passageiros da Emirates podem criar um "passaporte digital" e verificar se o seu destino exige teste ou vacina pré-viagem  A...