Edição histórica do 2º Simpósio Regional sobre Sistemas de Aeronaves não Tripuladas contou com mais de 2.500 inscritos

Iniciativa do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA) e do Serviço Regional de Proteção ao Voo de São Paulo (SRPV-SP), o evento foi realizado de 10 a 12 de novembro e em formato 100% virtual

O Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA) e o Serviço Regional de Proteção ao Voo de São Paulo (SRPV-SP) realizaram nos dias 10, 11 e 12 de novembro de 2020, a 2ª edição do Simpósio Regional sobre Sistemas de Aeronaves não Tripuladas (SiReSANT). A edição histórica somou mais de 2.500 inscritos e debateu com profundidade o uso de drones/aeronaves não tripuladas (UA) por órgãos de Segurança Pública, Defesa Civil, de Fiscalização da Receita Federal do Brasil e por órgãos ligados aos Governos Federal, Estadual e Municipal, além das aplicações em novos mercados, como no setor de serviços, com destaque para delivery.

O Coronel Aviador Chrystian Alex Scherk Ciccacio, Chefe do SRPV-SP, destaca que a segunda edição do SiReSANT trouxe o desafio de organizar o evento na modalidade virtual, o que acabou levando o simpósio  para o âmbito  nacional de forma involuntária.

“Neste contexto, decidimos envolver a Organização de Aviação Civil Internacional (ICAO, em inglês) com o objetivo de tornar a pauta do evento mais ampla no que se refere aos caminhos vislumbrados e  as ações em andamento no mundo. Além disso, tivemos importante adesão das autoridades que discorreram sobre as atividades do DECEA e a visão atual e futura do mercado de Drones no Brasil”.

O Chefe do SRPV-SP enfatizou, ainda, que o evento teve como objetivo também trazer informações mais operacionais para que a sociedade e os profissionais do ramo possam operar seus Drones com maior aderência às regras vigentes.

“Neste caminho, criamos um painel final diário, que contemplou perguntas e respostas sobre a operação recreativa, profissional e de órgãos públicos. Assim, acredito que nosso evento cumpriu o seu papel de fortalecer e trazer mais maturidade a operação de Aeronaves Não tripuladas no Brasil, por meio deste conceito de união dos stakeholders (envolvidos) do setor,  sejam eles do Estado ou privados, fazendo valer a nossa máxima do SRPV-SP de que juntos somos mais fortes”, acrescentou.

Formato inovador

O Coronel Aviador Chrystian Alex Scherk Ciccacio pontuou que o evento superou muito as expectativas, tanto em termos de participantes, como na qualidade dos painéis. “A empresa NECTA também realizou um excelente trabalho na organização e desenvolvimento do evento. Tivemos uma ampla variação de temas, além disso trabalhamos tanto aspectos de caráter  mundial,  tratados pela ICAO, quanto regramentos básicos da operação, como utilização do sistema SARPAS ou mesmo distâncias seguras para se manter dos aeroportos e helipontos”.

E completou: “Agradeço a todos que prestigiaram nosso evento, a empresa NECTA pela excelente organização e aos palestrantes que trouxeram rico debate e ampla Gama de informações úteis para todos de nosso Sistema de Aviação não Tripulada do Brasil. Tenho certeza que saímos mais fortes e que estamos trilhando o caminho certo na direção  de nos tornarmos um dos sistemas mais robustos e maduros do mundo”.

O Tenente-Brigadeiro do Ar Heraldo Luiz Rodrigues, Diretor Geral do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA), também destacou o papel do evento para o mercado de aeronaves não tripuladas (UAS) no  país.

“Como provedor do serviço de navegação aérea, o DECEA busca permanentemente otimizar processos para que a fluidez e a segurança no espaço aéreo caminhem juntas. O acesso ao espaço aéreo possui regras que precisam ser conhecidas. O uso responsável deste espaço precisa ser entendido como um fundamento na prática do uso de aeronaves não tripuladas (UAS), seja para uso recreativo ou profissional. Eventos como o SiReSANT, que promovem o debate, a propagação de informação oficial é uma oportunidade para apresentarmos as diretrizes normativas para acesso ao espaço aéreo e tornar possível o intercâmbio das melhores práticas, das lições aprendidas e dos desafios da integração dos sistemas de aeronaves não tripuladas”.

Sobre o setor

O aumento do uso comercial do Sistema de Aeronaves Não Tripuladas, do inglês Unmanned Aircraft System (UAS), deu início ao conhecido mercado dos drones. De acordo com a Association for Unmanned Vehicle Systems International (AUVSI), esse setor movimentará, somente nos Estados Unidos, cerca de US$ 82 bilhões, gerando, até 2025, 100.000 novos postos de trabalho no mercado norte-americano.

O SRPV-SP, órgão regional do DECEA, recebeu até 11 de setembro de 2020, mais de 37 mil solicitações de acesso ao espaço aéreo de aeronaves de pequeno porte não tripuladas. A estimativa é de chegar em 50 mil até o final deste ano. Em 2016 foram registradas em torno 35 solicitações, saltando para 42 mil solicitações em 2019.

Fonte: Comunicação do Simpósio Regional sobre Sistemas de Aeronaves não Tripuladas (SiReSANT)

Principais da Semana