Iniciativa de 10 países da América Latina facilitará o transporte da vacina da Covid-19

Memorando de Entendimento (MoU) permite a liberação temporária e recíproca do direito de tráfego da sétima liberdade para serviços aéreos de carga sem restrições geográficas ou de capacidade

Brasil, Chile, Equador, Guatemala, Panamá, Paraguai, Peru, República Dominicana, Venezuela e Uruguai, todos membros da Comissão Latino-Americana de Aviação Civil (CLAC), assinaram um Memorando de Entendimento (MoU) no final de 2020 com o objetivo de permitir a liberação temporária e recíproca do direito de tráfego da sétima liberdade para serviços aéreos de carga sem restrições geográficas ou de capacidade.

A sétima liberdade do ar se refere ao direito de transportar de um Estado a outro sem passar pelo território da nacionalidade da companhia aérea ou sem a autorização desse país. A aplicação dessa medida no âmbito do acordo multilateral facilitará em grande medida o transporte de cargas essenciais e, principalmente, o transporte da vacina contra a COVID-19 entre os países membros do grupo.

“Mais de 40% da carga aérea é transportada na barriga dos aviões de passageiros. Por isso a redução drástica do número de voos de passageiros tem impactado o transporte global de cargas. Apesar disso, a aviação tem tido um papel fundamental a serviço dos governos e da população no transporte de cargas essenciais e isso agora é ainda mais relevante para o transporte oportuno e seguro da vacina contra a COVID- 19. Este acordo multilateral representa uma importante medida colaborativa que trará enorme eficiência na prestação de um serviço essencial através da capacidade de transporte de carga das companhias aéreas da região “, afirma Jose Ricardo Botelho, diretor-executivo e CEO da ALTA.

“Por iniciativa do Brasil e do Chile, durante 2020, um grupo técnico da CLAC preparou o texto do MoU que libera temporariamente até a 7a carga. Agora que o MoU entrou em vigor, esperamos que mais Estados o assinem durante 2021, pois há um grande compromisso em facilitar a distribuição de cargas, principalmente vacinas contra COVID-19 ”, afirma Jaime Binder, secretário da CLAC.

“Este acordo demonstra o interesse dos governos da região em facilitar o acesso à vacina e desenvolver a colaboração Estado-indústria para alcançá-la. Tenho certeza de que a iniciativa será um exemplo para a aviação global no desenvolvimento de acordos multilaterais e medidas eficientes para contribuir para o transporte da vacina e de cargas essenciais ”, diz Botelho.

Com informações da Assessria de Imprensa da Alta 

Principais da Semana