A Turkish Airlines quer que a Colômbia se torne um ‘hub’ para a América Latina

A expectativa da companhia aérea é ter possibilidade de retomar entre 60% e 70% do mercado de passageiros entre junho e julho deste ano


A Turkish Airlines, a companhia aérea líder mundial em destinos em mais países (128), quer que a Colômbia se torne um hub (ponto de conexão) para a América Latina para os viajantes da Eurásia.

“Com a ProColombia realizamos diversos encontros para retomar as ações em 2021 de tráfego turístico para a Colômbia, porque desenvolvemos muito bem o mercado da Colômbia para a Turquia e seu entorno, mas também queremos que a Turquia e seu entorno cheguem à Colômbia”, disse Cemal. Kaya, gerente geral da Turkish Airlines para a Colômbia e o Panamá, em encontro virtual organizado pela ProColombia, que buscou destacar a conectividade com a Turquia como protagonista das relações comerciais binacionais.

Segundo o embaixador da Colômbia na Turquia, Julio Aníbal Riaño, as relações comerciais entre a Colômbia e a Turquia estão cada vez mais estreitas. Não apenas mais empresas colombianas exportam produtos como café, banana, cacau e derivados para a Turquia, mas cada vez mais turcos vêm à Colômbia em turismo em busca de experiências culturais, natureza e praia, tendo como destinos favoritos Cartagena, Medellín, Bogotá e o Eixo Café.

O embaixador colombiano explicou que, em 2019, mais de 20.000 viajantes da Colômbia viajaram para a Turquia e cerca de 7.000 do país da Eurásia chegaram à América do Sul.

No entanto, o surgimento da pandemia do coronavírus (COVID-19) “nos deixou sem voar por quase seis meses”, disse Kaya. Na Colômbia, por exemplo, “em 1º de novembro (2020), retomamos a rota Istambul-Bogotá com dois voos semanais e um mês depois passamos para três voos semanais”.

Não só o número de passageiros é importante, mas na questão de “importação e exportação sempre temos cargas que estão contribuindo muito”, informou o presidente da Turkish Airlines.

A razão é que, neste momento, só estão a mobilizar passageiros “por obrigação”, ou seja, aqueles que têm de se deslocar entre países por um motivo específico e não turístico.

Kaya disse que o turismo corporativo será reativado lentamente, enquanto o turismo de lazer pode rapidamente retornar aos números vistos antes da pandemia. “As pessoas querem viajar porque estão trancadas há muito tempo, mas isso vai demorar”, disse o empresário.

Apesar da lenta reativação do setor, a companhia aérea turca vê possibilidades de recuperar de 60 a 70% do setor até junho ou julho deste ano.

Fonte: ALN NEWS

Principais da Semana