Com início dos testes em Congonhas, governo federal estabelece a primeira ponte aérea biométrica do mundo

Tecnologia de embarque exclusivo por meio do reconhecimento facial dos passageiros será avaliada de forma simultânea nos aeroportos de Congonhas (SP) e Santos Dumont (RJ).

O projeto Embarque + Seguro 100% digital, com uso de reconhecimento facial, chega nesta terça-feira,15/6, à ponte aérea São Paulo/Rio de Janeiro. O Aeroporto de Congonhas (SP) fará os testes para embarques com destino ao Aeroporto Santos Dumont, e vice-versa, tornando-se a primeira ponte aérea do mundo a usar a tecnologia de ponta a ponta.

Ao longo do dia, passageiros que forem se deslocar entre os aeroportos de Congonhas (SP) e Santos Dumont (RJ) pela companhia aérea Azul Linhas Aéreas, e aceitarem participar da experiência, poderão acessar as áreas de embarque e as aeronaves nos dois terminais sem apresentar cartão de embarque ou qualquer tipo de documento. Bastará o reconhecimento biométrico facial para os procedimentos serem realizados.

Desenvolvido em parceria com o Serpro, empresa de tecnologia do Governo Federal, o projeto do Ministério da Infraestrutura (MInfra) tem o objetivo de tornar mais eficiente, ágil e seguro o processo de embarque nos aeroportos. “É a primeira vez que os testes são realizados simultaneamente em dois dos nossos aeroportos, estabelecendo assim, também de forma inédita, uma ponte aérea biométrica entre os terminais”, explicou o secretário-executivo do MInfra, Marcelo Sampaio.

Sampaio acrescenta que, além de a medida ser segura do ponto de vista sanitário, ao dispensar o manuseio de papeis durante a pandemia, garante a proteção total dos dados dos usuários, pois o Embarque + Seguro 100% Digital atende a todos os preceitos da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD).

TESTES EM ETAPAS 

Essa é a primeira vez que a iniciativa é executada em Congonhas e a segunda no aeroporto Santos Dumont. O Embarque + Seguro vem passando por testes desde o ano passado, já tendo sido avaliado em diferentes fases também nos aeroportos de Florianópolis (SC), Salvador (BA) e Confins (MG).

Após a aprovação do projeto-piloto, o Governo Federal avançará com as ações para implantação efetiva da tecnologia nos principais aeroportos brasileiros. “Caminhamos para um embarque biométrico totalmente seguro em todos os aeroportos do país, eliminando por completo a necessidade de se apresentar qualquer tipo de documentação”, reforça Marcelo Sampaio.

Para o presidente da Infraero, Brigadeiro Paes de Barros, “o Embarque +Seguro na ponte aérea une duas vertentes essenciais para agilizar os processos de embarque que são segurança e facilidade para o passageiro e todo sistema de aviação civil”.

“O Embarque + Seguro coloca o Brasil na vanguarda neste movimento do Governo Federal para a transformação digital do Brasil e combina validação biométrica e análise de dados, garantindo uma conferência precisa, ágil e segura da identidade dos passageiros, que, assim, podem viajar com mais conforto e tranquilidade. A solução atende à Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) e tem por premissa a segurança no tratamento dos dados pessoais contra uso indevido ou não autorizado”, enfatiza o presidente do Serpro, Gileno Barreto.

COMO FUNCIONA

No momento do check-in no aeroporto, o passageiro da Azul Linhas Aéreas é convidado a participar do projeto. Após concordar, a pessoa recebe uma mensagem, no celular informado por ela, solicitando autorização para a obtenção de seus dados, incluindo CPF e uma foto. Com o consentimento, o atendente da companhia aérea, utilizando o aplicativo do Serpro desenvolvido para esse fim, realiza a validação biométrica do cidadão, comparando os dados e a foto, tirada na hora, com as bases governamentais.

A partir da validação, o passageiro fica liberado para ingressar na sala de embarque e na aeronave passando pelos pontos de controle biométricos, que fazem a identificação por meio de câmeras, sem a necessidade de o usuário apresentar documento e cartão de embarque.

SEGURANÇA TOTAL

No projeto-piloto, são medidos indicadores como redução no tempo em filas, no acesso à sala de embarque e à aeronave, e dos custos de operação. E espera-se aumento na segurança aeroportuária, pois o reconhecimento facial permite a identificação precisa dos passageiros.

O Serpro é parceiro estratégico do MInfra na agenda digital de transporte do país, mas o Embarque + Seguro conta ainda com a colaboração de companhias aéreas e dos aeroportos nos quais os testes vêm sendo realizados, que têm possibilitado o aprimoramento do projeto a cada etapa. A tecnologia das estações de identificação facial foi desenvolvida pelas empresas Digicon, Idemia e Azul/Pacer.

*Com informações da Assessoria de Imprensa do Serpro e Assessoria Especial de Comunicação/ Ministério da Infraestrutura

Principais da Semana