Carga aérea sobe 9,4% em relação aos níveis pré-COVID

A Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA – International Air Transport Association) divulgou os resultados dos mercados globais de transporte aéreo de carga de maio de 2021. Segundo o relatório, a demanda de carga aérea continuou com forte tendência de crescimento.

Como as comparações entre os resultados mensais de 2021 e 2020 estão distorcidas devido ao impacto extraordinário da COVID-19, a não ser que especificado de outra forma, todas as comparações a seguir são relacionadas a maio de 2019, que seguiu um padrão de demanda normal.

• A demanda global, medida em toneladas de carga por quilômetro (CTKs*), subiu 9,4% em relação a maio de 2019. A demanda com ajuste sazonal aumentou 0,4% em maio em relação ao mês anterior – este é o 13º mês consecutivo de aumento.

• O ritmo de crescimento diminuiu um pouco em maio em relação a abril de 2021, quando a demanda aumentou 11,3% em relação a abril de 2019. Apesar disso, a carga aérea superou o comércio global de produtos pelo quinto mês consecutivo.

• As operadoras norte-americanas contribuíram com 4,6 pontos percentuais para a taxa de crescimento de 9,4% relatada em maio. As companhias aéreas de todas as outras regiões também apresentaram crescimento, exceto da América Latina.

• A capacidade permanece 9,7% abaixo dos níveis pré-COVID-19 (maio de 2019) devido à paralisação contínua das aeronaves de passageiros. A capacidade com ajuste sazonal aumentou 0,8% em maio em relação ao mês anterior, o quarto mês consecutivo de aumento, indicando que a crise de capacidade começa a passar lentamente.

• As condições econômicas e a dinâmica da cadeia de abastecimento continuam favoráveis ao transporte aéreo de carga:

o O comércio global cresceu 0,5% in abril.
o O PMI, índice que mede a atividade econômica do setor de manufatura global e um dos principais indicadores da demanda de carga aérea, mostra que a confiança dos negócios, a produção industrial e os novos pedidos de exportação estão crescendo em um ritmo rápido na maioria das economias.
o A competitividade em termos de custo da carga aérea em relação ao transporte marítimo melhorou. Antes da crise, o preço médio da carga aérea era 12 vezes mais caro que o preço do transporte marítimo. Em maio de 2021, era seis vezes mais caro.

“Impulsionada pelo forte crescimento econômico do comércio e da manufatura, a demanda por carga aérea está 9,4% acima dos níveis anteriores à crise. Com a abertura das economias, podemos esperar uma mudança no consumo de bens para serviços. Isso poderia desacelerar o crescimento do transporte de carga em geral, mas a competitividade aquecida com o transporte marítimo deve continuar colocando a carga aérea como destaque para as companhias aéreas, enquanto a demanda de passageiros luta com o contínuo fechamento de fronteiras e restrições de viagens”, disse Willie Walsh, diretor geral da IATA.

Desempenho por região em maio de 2021

As companhias aéreas da região Ásia-Pacífico relataram aumento de 5,3% na demanda de carga aérea internacional em maio de 2021 em relação ao mesmo mês de 2019. Este resultado ficou abaixo do desempenho relatado no mês anterior (5,9%) devido a uma pequena desaceleração no crescimento em diversas rotas importantes, como na Ásia. A capacidade internacional permaneceu restrita na região, com queda de 16,9% em relação a maio de 2019. Como também relatado em abril, as companhias aéreas da região apresentaram a maior taxa de ocupação entre todas as regiões, que atingiu 75,2%.

As transportadoras da América do Norte registraram aumento de 25,5% na demanda internacional em maio de 2021 em relação a maio de 2019. Esse resultado foi praticamente igual ao desempenho de abril (25,4%) e o maior entre todas as regiões. As condições econômicas e a dinâmica da cadeia de suprimentos continuam favoráveis para as transportadoras aéreas de carga da América do Norte. A capacidade internacional cresceu 1,6% em comparação com maio de 2019.

As transportadoras da Europa relataram aumento de 5,7% na demanda em maio de 2021 em relação ao mesmo mês de 2019, uma queda no desempenho em relação ao mês anterior (11,5%) devido a uma ligeira desaceleração no crescimento nas principais rotas comerciais, incluindo Europa-Ásia e na Europa. A capacidade internacional diminuiu 17,3% em maio de 2021 em relação a maio de 2019, permanecendo inalterada em relação ao mês anterior.

As transportadoras do Oriente Médio registraram aumento de 14,1% nos volumes de carga internacional em maio de 2021 em relação a maio de 2019, uma pequena queda em relação ao mês anterior (15,6%). Os volumes com ajuste sazonal continuam com forte tendência de alta. A capacidade internacional caiu 6,1% em maio em comparação com o mesmo mês de 2019, uma considerável melhora em relação à queda de 10,1% relatada em abril.

As transportadoras da América Latina relataram queda de 14% nos volumes de carga internacional em maio em relação ao mesmo período de 2019. Este foi o pior desempenho entre todas as regiões, mas uma melhora significativa em relação ao mês anterior, que relatou queda na demanda de 32,3%. A demanda com ajuste sazonal teve forte crescimento em maio. A capacidade internacional diminuiu 24,9% em comparação com maio de 2019, resultado melhor que a queda de 52,3% relatada em abril.

As companhias aéreas da África registraram aumento de 24,5% na demanda de maio em relação ao mesmo mês de 2019. Esta foi uma queda no desempenho em relação ao mês anterior (34,0%) devido a uma desaceleração nos fluxos comerciais entre a África e a Ásia. A capacidade internacional de maio aumentou 0,5% em relação a maio de 2019, permanecendo relativamente inalterada em relação a abril.

Veja a análise completa dos mercados de carga aérea de maio de 2021

Principais da Semana