A aviação regional como vetor de desenvolvimento econômico sustentável no Brasil e no Canadá

A aviação insere estas comunidades no contexto nacional e internacional, permitindo maior desenvolvimento econômico enquanto mantêm suas tradições e culturas locais

Brasil e Canadá possuem vastas extensões territoriais, ricas em paisagens deslumbrantes e recursos naturais.  Em ambos os países, o acesso a algumas destas regiões é extremamente difícil representando um grande desafio logístico e econômico, que, por vezes, somente encontra solução na aviação regional. 

Ao norte do Canadá, por exemplo, onde algumas estradas permanecem congeladas em boa parte do ano, existem localidades isoladas que dependem exclusivamente do transporte aéreo para acesso a bens e serviços essenciais. Fato similar observa-se no norte do Brasil, onde a exuberante floresta apenas permite acesso a comunidades remotas por via fluvial e – onde há aeródromos disponíveis – por via aérea.

Além do apoio logístico essencial, é fato notório que a aviação insere estas comunidades no contexto nacional e internacional, permitindo maior desenvolvimento econômico enquanto mantêm suas tradições e culturas locais. Assim, produtos exportados a partir da Amazônia ou de territórios remotos ao norte do Canadá podem fomentar as economias e prover recursos às comunidades destas regiões de maneira sustentável. 

Talvez não por coincidência, Brasil e Canadá tenham evoluído indústrias aeronáuticas pujantes, destacando-se pelos seus produtos de aviação regional.  

Aeronaves regionais e suas tecnologias desenvolvidas no Canadá e no Brasil, resultantes de competência técnica e grande capacidade empresarial, levam consigo não apenas prosperidade a regiões de difícil acesso, mas também geram milhares de empregos altamente qualificados em toda a sua cadeia de valor, com benefícios econômicos cruzados diretos e indiretos a ambos os países, de maneira mais abrangente. 

Não é surpreendente, neste contexto, o fato de que aeronaves regionais estejam na vanguarda do desenvolvimento de tecnologias inovadoras de baixa emissão de carbono. Quer seja via eletrificação, hidrogênio ou combustíveis alternativos, a aviação regional certamente será pioneira e terá papel fundamental na transição para uma aviação mais “verde”, promovendo também a sustentabilidade ambiental. 

A bordo de um E-jet, um Dash-8 ou de um Twin Otter, pode-se contemplar as belezas naturais do Brasil e do Canadá, conectando regiões outrora inacessíveis e mudando as vidas de milhares de brasileiros e canadenses. 

As ideias e opiniões expressas no artigo são de exclusiva responsabilidade do autor, não refletindo, necessariamente, as opiniões do Portal AirConnected

Alex Krell
Alex Krell, MBA, Trade Commissioner – Consulado Geral do Canadá em São Paulo Alex Krell é Trade Commissioner responsável pelos setores Aeroespacial, Defesa e Segurança no Consulado Geral do Canadá em São Paulo desde 2009. Graduado em Administração de Empresas com MBA em Comércio Internacional, ocupou posições de liderança em empresas multinacionais de tecnologia e manufatura, além de cargos executivos em associações setoriais e na Câmara de Comércio Brasil-Canadá.

Principais da Semana