Dados mais recentes de tráfego aéreo revelam potencial ponto de virada na recuperação das viagens aéreas

ACI World pede aos governos que diminuam as restrições de viagem

O Conselho Internacional de Aeroportos (Airports Council International | ACI World) divulgou na última quinta-feira (24/02) os dados mais recentes sobre o impacto da Covid-19 no tráfego global de passageiros e nos negócios aeroportuários, à medida em que o setor se aproxima de um potencial ponto de virada na recuperação das viagens.
Apesar de a recuperação se dar de forma mais lenta do que o esperado e dos persistentes desafios financeiros, a flexibilização das restrições de viagens nos principais mercados de aviação traz algum otimismo e impulso renovados em meio à adição de novas tensões geopolíticas.

Impacto no tráfego global de passageiros: atraso na recuperação, mas otimismo renovado no crescimento projetado

Ao longo de 2021, prevê-se que a crise tenha sido responsável pela redução de 5,4 bilhões de passageiros em comparação à linha de base projetada (previsão pré-Covid-19 para 2021), representando uma perda de 55% do tráfego global de passageiros. Isso representa menos da metade do que foi em 2019, com o tráfego para 2021 totalizando apenas 4,4 bilhões (48,3%) dos 9,2 bilhões de passageiros atendidos há dois anos. O tráfego doméstico continuou a impulsionar a recuperação, atingindo cerca de 3,4 bilhões de passageiros, correspondendo a 63,4% dos níveis de 2019. O volume de tráfego internacional de passageiros ficou significativamente atrás da recuperação do tráfego doméstico em 2021 e estima-se que totalize apenas 1,05 bilhão de passageiros no ano, ou
27,8% em relação aos níveis de 2019.

Em 2022, a crise da Covid-19 deve ser responsável pela redução de 3,7 bilhões de passageiros durante o ano em comparação à linha de base projetada, representando uma queda de 36,1% no tráfego global de passageiros. Em comparação com os níveis de 2019, isso representaria uma redução  de 28,9%.

O volume de tráfego doméstico deverá se recuperar mais rapidamente em 2022 do que o tráfego internacional de passageiros, atingindo um total de 4,46 bilhões de passageiros em 2022, ou 84% do volume de 2019. Enquanto algumas melhorias são esperadas, especialmente no segundo semestre de 2022, o volume de passageiros internacionais está previsto para ser apenas um pouco acima de 2 bilhões de passageiros para o ano,
correspondendo a 53,8% do volume de 2019.

Impacto nas receitas globais dos aeroportos: apesar da melhoria progressiva, os desafios financeiros persistem

A crise da Covid-19 continuou a afetar severamente as receitas dos aeroportos em 2021. Estima-se agora que, globalmente, os aeroportos perderam mais de US$ 83,1 bilhões em receitas em 2021. Antes da pandemia da Covid-19, era esperado que a indústria aeroportuária gerasse mais de US$ 175,8 bilhões em receitas em 2022. No entanto, os impactos da crise nas receitas dos aeroportos continuarão em 2022, reduzindo-os em mais US$ 60,8 bilhões, ou 34,6%, em relação à linha de base projetada. Prevê-se que as receitas aeroportuárias em 2022 atinjam apenas 72,6% dos níveis de 2019. Para uma análise global e regional aprofundada, leia o Boletim Consultivo de ACI sobre o impacto da Covid-19 nos negócios aeroportuários e o caminho para a recuperação.

Facilitando as restrições de viagem para restaurar as viagens e o turismo

O impulso criado pelos planos de reabertura certamente terá um impacto positivo na recuperação econômica global. O desempenho da economia global acelerou nos últimos meses de 2021, à medida em que mais restrições pandêmicas foram removidas, facilitando o comércio de mercadorias e permitindo o crescimento dos setores de manufatura e
serviços.

Embora ACI World permaneça otimista, estamos também cautelosos, uma vez que a recuperação pode ainda enfrentar vários ventos contrários, desde novas variantes em potencial, altos preços do petróleo bruto, inflação mais alta ou interrupções na cadeia de suprimentos. Conflitos armados, como a situação atual na Ucrânia, e o aumento das tensões geopolíticas em todo o mundo também podem diminuir a velocidade e a magnitude da recuperação.

“Nossos pensamentos estão com as pessoas e nossos colegas da aviação impactados pela situação na Ucrânia”, disse o diretor-geral de ACI, Luis Felipe de Oliveira. “Como vimos durante a crise da Covid-19, agilidade e adaptação estão no DNA da aviação. Os aeroportos são treinados para lidar com crises e a prioridade continua sendo manter as pessoas –
viajantes e funcionários – seguros. Essa é a prioridade número um, sempre. Como muitos, esperamos uma solução pacífica para esta crise.

Na frente global, já se passaram quase dois anos desde que a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou o surto de Covid-19 uma pandemia global. No entanto, agora chegamos a um potencial ponto de virada. O esforço global de vacinação sem precedentes e a mais recente recomendação da OMS de que os governos afrouxem as restrições de viagem poderia impulsionar a recuperação econômica global e a demanda de transporte aéreo.

Os países estão agora introduzindo medidas que ACI vem defendendo há meses: a implementação de abordagens baseadas em risco e evidências para um retorno seguro das viagens. Durante esta fase de transição, o compromisso contínuo com a retomada segura das viagens é fundamental, inclusive dos reguladores nacionais e internacionais.
Apesar dos riscos existentes, a indústria continua confiante de que o potencial de recuperação para os níveis de 2019 dentro de dois ou três anos é previsível.

Os planejadores e investidores de aeroportos estão sendo incentivados a fazer uso das mais recentes Previsões Mundiais de Tráfego de Aeroportos de ACI 2021–2040, para alavancar a tomada de decisões orientada por dados em seu planejamento sustentável de curto, médio e longo prazo”, completou Luiz Felipe de Oliveira.

Previsões de Tráfego Mundial de ACI 2021–2040

Juntamente com o lançamento de seu nono boletim consultivo trimestral sobre o impacto da Covid-19 nos negócios aeroportuários, ACI divulgou hoje suas previsões anuais de tráfego de aeroportos mundiais 2021–2040. O conjunto de dados do Excel apresenta o número esperado de movimentos de aeronaves, tráfego de passageiros e volume de carga aérea em nível global, regional e nacional.

Com informações da Assessoria de Imprensa APCom

Principais da Semana