Conselho Internacional de Aeroportos (ACI World) lança nova série de orientações aos aeroportos para o fortalecimento das receitas comerciais

ACI lança também pela primeira vez orientações sobre serviços de acesso terrestre ao aeroporto

O Conselho Internacional de Aeroportos (Airports Council International | ACI World) lançou hoje uma nova série de materiais de orientação dedicados a ajudar os aeroportos a fortalecer suas receitas não aeronáuticas (comerciais) para melhorar a experiência do viajante e contribuir para a recuperação do setor à medida em que as viagens começam a aumentar.

O primeiro conjunto de orientações disponíveis concentra-se no acesso terrestre ao aeroporto e inclui o manual Optimal Integration of Airport Ground Access Services Handbook, e o documento Sustainable Airport Ground Access Policy Paper.

Ao longo dos anos, os aeroportos tornaram-se centros de transporte multimodais que buscam atender às necessidades de um público de viajantes diversificado, que pode ter preferências variadas ao escolher como chegar e sair de um aeroporto. Tendências significativas, como o impacto potencial da Covid-19, o aumento da automação e a mconectividade tecnológica e a descarbonização das indústrias, estão resultando na
rápida evolução das expectativas dos passageiros.

Além disso, o impacto econômico da pandemia na saúde financeira dos aeroportos destacou a importância das receitas não aeronáuticas na recuperação do negócio aeroportuário e na sustentabilidade de longo prazo de todo o ecossistema da aviação.

“À medida em que as opções de transporte evoluem e as preferências dos clientes mudam, os aeroportos devem responder para atender às necessidades de seus principais clientes – passageiros e funcionários”, disse Luis Felipe de Oliveira, diretor-geral de ACI World.

“Isso exige que os aeroportos aprimorem os procedimentos operacionais, ofereçam novas tecnologias e atualizem a infraestrutura, principalmente à medida em que o volume de viagens aumenta com a flexibilização das restrições. Isso pode incluir mais digitalização, estações de carregamento de veículos elétricos, quantidade de espaço disponível na
calçada, número de vagas de estacionamento público, necessidade de estacionamentos remotos e infraestrutura necessária para acesso de bicicletas, por exemplo. Quando gerenciados corretamente, os aeroportos podem melhorar a experiência do cliente e sua receita trabalhando efetivamente com seus prestadores de serviços, ao mesmo tempo em que se esforçam para oferecer uma experiência excepcional ao cliente. Eu encorajo os aeroportos a aproveitarem o o manual Optimal Integration of Airport Ground Access Services Handbook, e o documento Sustainable Airport Ground Access Policy Paper, bem como as próximas orientações de apoio a atividades e receitas não aeronáuticas, para melhorar a experiência do viajante e contribuir para a recuperação do setor”, completou o diretor-geral de ACI World.

O restante da série incluirá o lançamento de orientações nas áreas de contratos de concessão, duty free, transformação digital e alimentos e bebidas.

As publicações foram desenvolvidas pelo novo Subcomitê de Atividades e Receitas Não Aeronáuticas dos Aeroportos (ANARA) de ACI World, que está vinculado ao Comitê Permanente de Economia Mundial de ACI, composto por especialistas dos aeroportos membros e parceiros de negócios (world business partners WBP) de todo o mundo. O objetivo do comitê é investigar, analisar e formular estratégias, recomendações de políticas, posições da indústria e material de orientação sobre a melhor forma de
melhorar, facilitar e diversificar a gama de fontes de receita não aeronáuticas em benefício do ecossistema de transporte aéreo.

Com informações da Assessoria de Imprensa Global Vision Access

Principais da Semana