Alta do QAV pressiona o preço médio da tarifa aérea doméstica em 2021

Bilhete aéreo foi comercializado por R$ 494,01, com alta de 19,28% frente ao valor praticado em 2020. Preço do querosene de aviação subiu 94% no mesmo período

O preço médio do bilhete aéreo comercializado no mercado doméstico em 2021 foi de R$ 494,01. Na comparação com o mesmo período de 2020, o valor médio da tarifa aérea, comercializada à época por R$ 414,15, acumulou alta de 19,28%. Os dados apresentados pela Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), nesta sexta-feira, 25 de março, mostram que esse foi o maior percentual acumulado para um ano desde de 2008, quando houve aumento de 37,82%.

O aumento de 91,9% do preço médio do querosene de aviação (QAV) no ano passado frente ao valor praticado em 2020 foi um dos principais fatores para a alta do bilhete aéreo. Antes do fechamento de 2021, o preço do combustível de aviação chegou a registrar elevação de 94,4%. Aliado a isso, o crescimento de aproximadamente 40% na demanda e oferta do transporte aéreo no ano passado ante os dados registrados em 2020 contribuíram para a alta da tarifa. O valor do dólar, outro componente que impacta diretamente os custos do setor, terminou 2021 valendo 8,4% a mais em relação a 2020.

De janeiro a dezembro de 2021, o valor médio pago pelo passageiro por quilômetro voado (yield tarifa aérea médio doméstico real) foi de R$ 0,372, alta de 17,7% em relação ao mesmo período do ano anterior. Ao longo do ano passado, o yield apresentou valores médios mínimo e máximo nos meses de abril e outubro entre 0,256 e 0,443, respectivamente.

No ano passado, 4,1% das passagens comercializadas no mercado doméstico tiveram preço abaixo de R$100,00, 37,1% abaixo de R$ 300,00 e 63,3% abaixo de R$ 500,00. Os bilhetes vendidos acima de R$ 1.500,00 representaram 2,7% do total.

Números por empresa

Entre as três principais aéreas brasileiras, que transportaram 98,4% de passageiros durante 2021 no mercado doméstico, a Gol Linhas Aéreas foi a empresa com maior percentual de aumento no bilhete comercializado, com alta de 25,9%, seguida pela Azul Linhas Aéreas, com acréscimo de 17%, e da Latam, alta de 12,4%. No entanto, de janeiro a dezembro do ano passado, a Azul foi a companhia que apresentou o maior valor médio do ticket aéreo, de R$ 562,66. Gol e Latam vieram em seguida, com média de R$ 481,76 e R$ 444,90, respectivamente.

A inflação acumulada em 12 meses, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), foi de 10,06% em 2021, percentual superior ao centro da meta estipulada pelo Banco Central do Brasil, previsto em 3,75%.

Os indicadores apresentados podem ser acessados na página Relatório de Tarifas Aéreas Domésticas (clique no link para acessar).

Contexto internacional

No mercado internacional, as tarifas médias de ida e volta na classe econômica registraram alta nas Américas – do Sul, Central e do Norte – e na África no ano de 2021. Já na Europa e na Ásia, observou-se leve queda. A alta mais acentuada nos trechos de maior volume, como América do Sul e do Norte, se deve ao ajuste da atividade do setor em comparação à atividade de 2020, no auge dos efeitos da pandemia de covid-19. Veja o relatório completo das tarifas aéreas internacionais (clique no link para acessar)

A tarifa aérea praticada nos voos para a Europa teve redução inferior a 0,1%, com valor médio de US$ 643,11. Os voos para a Ásia tiveram tarifa média de US$ 960,07, apresentando redução de cerca de 3,3%. Para ambos os continentes, houve retomada do volume de passageiros transportados no segundo semestre de 2021, com o avanço da vacinação no Brasil e a flexibilização das regras de entrada nos países desses continentes.

A quantidade de passageiros transportados, apesar de apresentar recuperação nos dados mensais, teve queda de 11,3% ante o ano de 2020 — destaca-se que, no primeiro trimestre de 2020, o setor foi pouco impactado pela pandemia global, sendo declarada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em 11 de março de 2020.

Com informações da Assessoria de Imprensa da ASCOM

Principais da Semana