TAP reduz suas perdas em 66,7% no primeiro trimestre, para 121,6 milhões

A companhia aérea portuguesa TAP perdeu 121,6 milhões de euros no primeiro trimestre, o que representa uma melhoria de 66,7% face aos números vermelhos do mesmo período de 2021, depois de triplicar os seus proveitos operacionais

“A atividade apresentou melhorias significativas em relação ao primeiro trimestre de 2021 e mostrou que a empresa está voltando aos níveis operacionais pré-pandemia de 2019 de forma consistente e progressiva”, disse a empresa em comunicado enviado ao mercado.

O resultado operacional triplicou em relação aos primeiros três meses de 2021, quando Portugal estava em confinamento, atingindo 490,6 milhões de euros, o que também representa 80% do valor do mesmo período de 2019, informou a EFE.

Este crescimento foi impulsionado sobretudo pelas receitas de passageiros: a TAP transportou 2,1 milhões de viajantes, cinco vezes mais do que no primeiro trimestre do ano passado, situando-se em 62% dos níveis pré-pandemia.

Além disso, entre janeiro e março, a TAP operou três vezes mais voos do que no ano anterior, com a reabertura de nove destinos que foram temporariamente suspensos.

A melhora nas receitas do segmento de carga (+45,3%) e manutenção (+37,5%) também contribuíram.

As despesas operacionais cresceram 46,3%, principalmente devido ao aumento dos custos com combustível e operações de tráfego, enquanto as despesas com pessoal caíram 32%, com redução de 828 trabalhadores em relação ao quadro de funcionários em março de 2021. No total, a companhia aérea conta atualmente com 6.698 trabalhadores.

O EBITDA situou-se em 58,1 milhões graças ao “avanço significativo na execução” do plano de reestruturação, segundo a CEO da TAP, Christine Ourmières-Widener.

Com informações da ALN News

Principais da Semana