Governo Federal define data do leilão de Congonhas e mais 14 aeroportos da sétima rodada

Após a chancela do Tribunal de Contas da União, Agência Nacional de Aviação Civil aprovou o edital que vai garantir R$ 7,3 bilhões em investimentos privados nos terminais

Leilão da sétima rodada de concessões aeroportuárias, com o Aeroporto de Congonhas (SP) e outros 14 terminais, já tem data marcada para acontecer: 18 de agosto. Após o aval do Tribunal de Contas da União (TCU), a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) aprovou nesta segunda-feira (6) os documentos jurídicos, compostos por edital e contratos do certame, que está dividido em três blocos e será realizado na Bolsa de Valores, B3, em São Paulo.

Com previsão de investimentos de R$ 7,3 bilhões, os 15 aeroportos foram divididos em três blocos modelados visando atrair novo perfil de investidores do segmento para o certame, melhorar a competição entre aeroportos e promover o desenvolvimento da infraestrutura desses terminais.

“O programa de concessões aeroportuárias completou 10 anos em 2021 e mostra que estamos nos caminhos certo para oferecer serviços de qualidade a população e ampliar a infraestrutura aeroportuária. Com o leilão, vamos garantir mais conectividade pelo transporte aéreo, com conforto, segurança e tecnologia a todos os passageiros, além de gerarmos aproximadamente 100 mil novos empregos”, afirmou o ministro da Infraestrutura, Marcelo Sampaio.

Divisão

Os blocos da sétima rodada se dividem desta forma:

– Bloco Aviação Geral: Integrado pelos aeroportos de Campo de Marte (SP) e Jacarepaguá (RJ), o lote tem R$ 560 milhões em investimentos previstos. Outorga inicial: R$ 141,4 milhões.

– Bloco Norte II: Formado pelos terminais aéreos de Bélem (PA) e Macapá (AP), tem R$ 875 milhões em investimentos previstos. Outorga inicial: R$ 56,9 milhões.

– Bloco SP/MS/PA/MG: Formado pelos aeroportos de Congonhas (SP), Campo Grande (MS), Corumbá (MS), Ponta Porã (MS), Santarém (PA), Marabá (PA), Carajás (PA), Altamira (PA), Uberlândia (MG), Uberaba (MG) e Montes Claros (MG). O investimento previsto é de R$ 5,889 bilhões. Outorga inicial: R$ 740,1 milhões.

Com a sétima rodada de concessões, o Brasil deve atingir neste ano a marca de 49 terminais aéreos concedidos à iniciativa privada. Para 2023, está prevista a concessão do Santos Dumont, na oitava rodada, junto com o Aeroporto Internacional do Galeão, cujo concessionário pediu recentemente a devolução do ativo à União, permitindo ao MInfra iniciar as tratativas para o processo de relicitação.

Edital

Propondo regulação flexível, compatível e proporcional ao porte de cada aeroporto em relação a tarifas, investimentos e qualidade dos serviços, a sétima rodada está mais exigente quanto ao nível de serviço.

Um mesmo proponente poderá arrematar os três blocos. Entretanto, o operador precisa comprovar experiência de processamento nos últimos cinco anos, de 1 milhão de passageiros para o Bloco Norte II e cinco milhões de passageiros para os blocos SP-MS-PA-MG. No caso do Bloco Aviação Geral, o processamento de passageiros deverá ser de no mínimo 200 mil passageiros ou, alternativamente, 17 mil movimentos de aeronaves (pousos e decolagens).

Com informações da Assessoria de Imprensa

Principais da Semana